Você está aqui: Início » Comportamento » Criatividade, genética e experiências se relacionam
Comportamento

Criatividade, genética e experiências se relacionam

Compartilhe com seus amigos!
  •  
  •  
  •  
  •  

A criatividade pode está relacionada à genética e e experiências de cada um

Diversos estudos buscam compreender o processo criativo e identificar os pontos de influência. Embora não exista uma definição do perfil criativo, a ciência já identificou os fatores que se relacionam com a potencialização das habilidades criativas. Entre os principais aspectos estão a genética e as experiências de vida de cada pessoa.

Segundo a psicóloga, doutora em psicologia da saúde pela Universidade de Brasília e professora no Centro Universitário Iesb, Caroline Salles, entender a criatividade leva em conta as características humanas. Salles explica que há uma estimativa de que 30% a 40% do que fazemos e de quem somos é herdado geneticamente. “[isso envolve] que tipo de inteligência a gente tem, as habilidades, as nossas tendências, por exemplo, para doenças psicológicas ou para alcoolismo […]”, exemplifica.

Já as experiências ou como nos relacionamos com o mundo são aspectos que influenciam aproximadamente 60% a 70% de nossas ações, habilidades e tendências. Para a psicóloga isso mostra que o maior fator determinante da criatividade é desenvolvido com o tempo. ”O que a gente pode concluir disso, é que a maior parte do nosso desenvolvimento acaba sendo determinado pelas nossas interações”, afirma.

Essas considerações explicam o por quê crianças com síndrome de Down ou autismo podem chegar a um nível maior ou menor de inteligência e criatividade de acordo com o ambiente em que vivem.

Habilidade afetiva, instrumental e relacional

De acordo com Salles, quando se observa uma pessoa criativa há três fatores determinantes: a habilidade afetiva; relacionada a se envolver com áreas e temas de interesse; instrumental, que é a capacidade técnica para desenvolver as ideias (ex: como manusear softwares e ferramentas); e a relacional, que leva em conta as experiências passadas e relações com o mundo.

Para a psicóloga, ao buscar treinamentos e cursos para desenvolver a criatividade uma dica é observar o aspecto instrumental, para que seja possível compreender as possibilidades práticas. “É a partir daí que as pessoas conseguem transformar ideias em produtos”, afirma.


Compartilhe com seus amigos!
  •  
  •  
  •  
  •  
/* ]]> */